quarta-feira, 5 de agosto de 2015

IMAGEM DA SEMANA - FAZEM 30 ANOS QUE UMA EQUIPE DISPUTOU UMA PROVA COM TRÊS CARROS NA F1

Revista lembra a última corrida em que uma equipe disputou a prova com três carros no grid

Segundo a imprensa italiana, a saudosa Brabham Racing fez este feito durante o GP da Alemanha de 1985. 

 Nesta terça-feira (4), a revista italiana ‘Omnicorse’ relembrou um dos momentos ícones da história da Fórmula 1. Há 30 anos, a Brabham Racing fazia a sua última corrida com três carros dentro do grid. O evento aconteceu no GP da Alemanha de 1985, onde Nelson Piquet, François Hesnault e Marc Surer eram os pilotos titulares da eterna equipe britânica.

  Sobre a corrida, a prova foi disputada no circuito de Nurburgring e teve como vencedor Michele Alboreto da Ferrari. O italiano ainda contou com a presença de Alain Prost da McLaren e Jacques Laffite da Ligier no pódio. Ambos conquistaram a segunda e terceira posições, respectivamente. Ayrton Senna também participou desta corrida pela Lotus. O brasileiro abandonou a etapa na quinta volta após sofrer com problemas na caixa de marchas da sua Lotus.

 Já a Brabham Racing não teve sorte. Os pilotos da escuderia britânica abandonaram a prova em Nurburgring devido a problemas técnicos nos seus BT54. De acordo com a revista, naquela época, o feito de uma equipe correr uma corrida de F1 com três carros na pista só foi possível por conta das negociações da montadora Renault, que estava disposta a comprar a equipe britânica para permanecer na F1.



 Assim como nos dias atuais, a publicação lembrou que a Renault também estava passando por uma crise de confiabilidade no desenvolvimento do seu motor naquele campeonato. Por um lado, a Ligier, Tyrrell Racing, Lotus e a Brabham ameaçavam não renovar o contrato com a empresa de Viry, devido as constantes quebras do propulsor V6 Turbo francês.

 A Brabham estava passando por problemas financeiros. E isso foi um grande atrativo para a Renault, que tinha a sua equipe titular – a Renault Elf -, mas precisava da esquadra britânica para melhorar sua estrutura na Fórmula 1. Com as negociações, Hesnault – patrocinado pela montadora francesa – entrou no time inglês que já tinha Piquet e Surer como seus condutores titulares. 

 A revista citou que a Brabham não tinha dinheiro para quebrar o contrato com Piquet ou com Surer. Então a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) optou por colocar os três pilotos como titulares provisoriamente na temporada de 1985.

 O que é curioso, segundo a revista, é a comparação desta data com os dias atuais. Recentemente, Bernie Ecclestone especulou a possibilidade das equipes adicionarem o terceiro carro na temporada de 2017. A ideia foi rejeitada pelas grandes escuderias nas reuniões executadas no Grupo de Estratégia.

 Outro fato similar é sobre o comportamento da Renault. Assim como no campeonato de 1985, nos dias atuais, a montadora francesa está enfrentando uma grande crise de confiabilidade no seu motor V6 Turbo. Além disso, as especulações sobre uma possível compra da Lotus é comparada pela revista, como nas negociações com a Brabham Racing. Segundo a publicação, a montadora francesa está usando a mesma tática em que utilizou na década de 80′ para sobreviver na F1, que é comprar uma esquadra para não depender dos seus clientes de motores.

Fonte: F1 Team

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe! Deixe aqui seu comentário. Obrigado!

TV MOTOR

TV MOTOR

ULTIMAS VOLTAS GP BRASIL 2006

PODERÁ GOSTAR TAMBÉM

IMAGEM DA SEMANA - FERRARI ANUNCIA REVELAÇÃO BRASILEIRA PARA ACADEMIA DE PILOTOS

A Ferrari anunciou nesta terça-feira (5) que o brasileiro Gianluca Petecof, de 15 anos, fará parte da academia de pilotos da escuderia italiana. Ele se juntará a um grupo que conta com o também brasileiro Enzo Fittipaldi, neto do bicampeão mundial Emerson Fittipaldi.


Petecof se destacou no Mundial de Kart deste ano. O piloto de 15 anos terminou na sexta colocação, sendo o brasileiro mais bem posicionado.



Fonte de pesquisa e reprodução: uolesportes

POLÊMICA DA SEMANA - MARCHIONNE SE QUEIXA DE APRESENTAÇÃO DE PILOTOS NOS EUA

Uma das ações mais elogiadas entre as produzidas pela Fórmula 1 nesta temporada, a apresentação dos pilotos no Grande Prêmio dos Estados Unidos foi criticada por Sergio Marchionne, presidente da Ferrari. Nesta terça-feira (5), o dirigente alegou que o Liberty Media, proprietário da categoria, precisa “preservar” o esporte.


Na ocasião, os pilotos foram à pista do Circuito das Américas ao comando de Michael Buffer, consagrado apresentador de lutas de boxe e irmão de Bruce Buffer, annoucer das lutas do UFC. Os competidores foram chamados um a um, como acontece nas partidas da NBA.


“Eu acho que precisamos preservar (o esporte), precisamos modernizá-lo de uma maneira que os americanos achem relevante. “E essa é a parte complicada que eu acho ainda que Chase e eu precisamos conversar. Estamos caminhando por uma corda bamba sobre isso, porque se formos muito longe para tentar atrair, bom…”, disse Marchionne.


“A apresentação dos pilotos em Austin e a forma como organizamos o show não foi o que eu acho que um evento de Fórmula 1 deve ser. Mas fez parte de um exercício de testes e erros, e não acho que aquilo funcionou incrivelmente bem”, seguiu o dirigente da Ferrari.


“Eu acho que muitos dos europeus ficaram um pouco surpresos com o que aconteceu. Precisamos encontrar algo intermediário, que de alguma forma apaixone e realce o interesse do público em ambos os lados”, explicou o italiano, ressaltando porém que é necessário a Fórmula 1 ter relevância nos Estados Unidos.


“Eu acho que é justo dizer que Chase (Carey) e eu concordamos que precisamos de espaço nos Estados Unidos. Eu acho que há uma oportunidade se fizermos as coisas certas. Se fizermos isso, acho que isso irá beneficiar o esporte tremendamente”, seguiu.


“Mas precisamos ter cuidado para que esse desejo de nos tornar atraentes para o público americano não acabe com nosso DNA de esporte que tem algumas origens nobres”, completou.


Fonte de pesquisa e reprodução: racingonline


VÍDEOS INTERESSANTES, EDIÇÃO Nº 25 - FABRICAÇÃO DE UM F-1

GP COMPLETO

GP COMPLETO

GP MALÁSIA 2004

O nosso quadro GP Completo, edição nº 7 traz o GP da Malásia de 2004 (segunda prova da temporada), já que estamos em um final de semana de corrida de F-1 (GP Malásia) e não por acaso, que escolhi a Malásia para esta edição.Um grid cheio com bastante carros e pilotos, interessante dizer que em 2004 tínhamos três pilotos brasileiros : Barrichello (Ferrari), Cristiano da Matta (Toyota), Felipe Massa (Sauber).

CINEMA NO BLOG

CINEMA NO BLOG

EM CARTAZ

EM CARTAZ

ECURRALADO

CARINHA DO BLOG (TRISTE)

CARINHA DO BLOG (TRISTE)

O número 13 parece não dá sorte mesmo, pois bem, foi o que aconteceu com o Oreca nº 13 da Rebellion Racing, pilotado por Nelsinho Piquet, Mathias Beche e David Heinemeier-Hansson, eles tinham conquistado o segundo lugar da classe LMP2 e o terceiro posto geral.


Mas a equipe teve que fazer um reparo no motor de arranque e por isso abriram um buraco no carro ao qual danificou uma das homologações, ferindo assim o regulamento. E daí a punição. lamentável!!!

DEDICATÓRIAS

DEDICATÓRIAS
Poster autografado (por Nelson Piquet) para o blogueiro Claudio Heliano

'

'
Poster autografado (por Nigel Mansell) par ao blogueiro Claudio Heliano

'

'
Autografada por Luiz Razia