domingo, 14 de junho de 2009

ENTREVISTA COM RUBENS BARRICHELLO

Gente do céu, olhem só que eu encontrei perdido em meus arquivos, uma entrevista com Rubens Barrichello em 2000 quando pilotava para a Ferrari. Entrevista esta cedida a Revista Speedway após completar seis meses (metade da temporada) como piloto e companheiro de Michael Schumacher. Vale a pena conferir.


Speedway - Qual é o balanço que você faz dessa primeira metade de ano pela Ferrari?


Barrichello - Meu balanço é positivo. Se não fossem os problemas de Silverstone e de Interlagos, teria 16 pontos a mais no campeonato, no mínimo. Então, estou realmente tranquilo. Para um primeiro ano está bom. Estou ansioso para o resto da temporada.


Speedway - Quais são os maiores diferenciais em trabalhar para uma equipe grande?


Barrichello - Eu estou passando meus primeiros momentos em uma equipe grande, vivendo mudanças que nunca aconteceram em minha vida. Então, apesar de meus sete anos de Fórmula 1, estou aprendendo dentro desta equipe. Nas pistas onde normalmente ando bem, tenho que tentar ir melhor.


Speedway - Você pode dar um exemplo dessa diferença em trabalhar para uma equipe como a Ferrari?


Barrichello - Existem coisas em um time grande que você testa muito mais do que com um time pequeno. As pessoas podem pensar: "O Rubinho tem sete anos de experiência e ele deveria saber disso." Não. Tem coisa que um time pequeno não faz. Eu não posso detalhar essas coisas. Em Mônaco, por exemplo, a Ferrari mudou um detalhe para ajudar a saída de frente. Quando isso foi feito, ajudou o Michael e piorou para mim. Ele foi pole e eu larguei em sexto. Mas foi uma decisão boa, que tinha que ser feita, que tinha que ser tentada.


Speedway - O fato de o carro ter sido construído para o Michael Schumacher chegou a te prejudicar?


Barrichello - O carro realmente é feito nos moldes do Schumacher. Mas me adaptei muito bem e venho conseguindo um desempenho favorável. Eu consigo realmente trabalhar muito bem, meu estado de espírito e meu estado mental estão muito fortes. O objetivo é sempre melhorar para o futuro.


Speedway - Como você reage as críticas que vêm do Brasil, estas musiquinhas, piadinhas?


Barrichello - Eu acho que, de uma certa forma, o público inteiro está do meu lado. Eu vou para o Brasil e sou aplaudido, recebo palavras de carinho.Eu não vejo uma pessoas brincar maldosamente comigo. Não vejo mesmo. Sei que a audiência das corridas está subindo, que as pessoas estão acompanhando as provas pelas rádios... Então, desculpe falar, mas acho que as críticas partem muito mais da imprensa do que do próprio público. Os brasileiros sabem que estou numa equipe campeã, mas que o Schumacher é uma encrenca, porque é um cara que anda muito rápido. No Brasil, leio coisas que não saem em outros lugares do mundo. É muito mais a mídia tentando fazer críticas e brincadeiras do que algo propriamente do público que acompanha as corridas. Tem muita gente achando que o meu desempenho não está bom. Eu acho que não.


Speedway - O fato de você não ter vencido nessa primeira metade do campeonato do ano chega a te abalar de alguma forma?


Barrichello - Não. A minha vida tem sido muito assim : positivo em cima de positivo. Você tem que ser uma pessoa positiva, pra cima, e achar que amanhã pode ser sempre melhor.

Um comentário:

Participe! Deixe aqui seu comentário. Obrigado!

TV MOTOR

TV MOTOR

ULTIMAS VOLTAS GP BRASIL 2006

PODERÁ GOSTAR TAMBÉM

IMAGEM DA SEMANA - HAMILTON CELEBRA TETRACAMPEONATO: "NÃO PARECE REAL"

Lewis Hamilton não precisava de um grande resultado para conquistar o quarto título mundial de Fórmula 1 de sua carreira. Porém, o inglês, que precisava apenas de um quinto lugar para definir o título, viu o Grande Prêmio do México, disputado neste domingo (29) virar um drama após ter um pneu furado e cair para a última posição. Sebastian Vettel, porém, não conseguiu brigar pela vitória, e o piloto da Mercedes conquistou o título com o nono lugar.


Fonte de pesquisa e reprodução: Racingonline


POLÊMICA DA SEMANA - COM CRESCENTE DE RED BULL E MCLAREN, FERRARI CAMINHA PARA "CRISE"

A Ferrari está “caminhando para uma crise” que tradicionalmente é “difícil de sair”.


Essa é a visão do ex-engenheiro da Ferrari, Toni Cuquerella, ao avaliar o recente fracasso de Sebastian Vettel em desafiar o título de 2017.


“A Ferrari foi muito mais competitiva do que nos anos anteriores”, escreveu o ‘El Paris’. “A Ferrari teve um carro melhor do que Mercedes em cinco dos 18 Grandes Prêmios”, acrescentou Cuquerella.


“Foi um bom ano e eles deveriam estar felizes. Mas, como sempre, na Ferrari, duas corridas com resultados ruins significam o início de uma crise.


“E a Mercedes soube se aproveitar muito bem disso”, disse ele.


Cuquerella acredita que o desafio da Ferrari agora é “escapar da crise” por trás disso e sair com um pacote forte desde o começo de 2018.


No entanto, “a Ferrari luta para sair de suas crises”, disse o espanhol. “Enquanto isso, outros como Red Bull e McLaren podem chegar a esse nível no próximo ano.


“Este ano, a equipe mais rápida e o piloto mais rápido ganharam, mas a tendência indica que esse domínio não necessariamente continuará.


“O próximo título pode ser conquistado por uma equipe que não obrigatoriamente tenha o melhor carro”, finalizou.


Fonte de pesquisa e reprodução: f1mania.com.br

VÍDEOS INTERESSANTES, EDIÇÃO Nº 25 - FABRICAÇÃO DE UM F-1

GP COMPLETO

GP COMPLETO

GP MALÁSIA 2004

O nosso quadro GP Completo, edição nº 7 traz o GP da Malásia de 2004 (segunda prova da temporada), já que estamos em um final de semana de corrida de F-1 (GP Malásia) e não por acaso, que escolhi a Malásia para esta edição.Um grid cheio com bastante carros e pilotos, interessante dizer que em 2004 tínhamos três pilotos brasileiros : Barrichello (Ferrari), Cristiano da Matta (Toyota), Felipe Massa (Sauber).

CINEMA NO BLOG

CINEMA NO BLOG

EM CARTAZ

EM CARTAZ

ECURRALADO

CARINHA DO BLOG (TRISTE)

CARINHA DO BLOG (TRISTE)

O número 13 parece não dá sorte mesmo, pois bem, foi o que aconteceu com o Oreca nº 13 da Rebellion Racing, pilotado por Nelsinho Piquet, Mathias Beche e David Heinemeier-Hansson, eles tinham conquistado o segundo lugar da classe LMP2 e o terceiro posto geral.


Mas a equipe teve que fazer um reparo no motor de arranque e por isso abriram um buraco no carro ao qual danificou uma das homologações, ferindo assim o regulamento. E daí a punição. lamentável!!!

DEDICATÓRIAS

DEDICATÓRIAS
Poster autografado (por Nelson Piquet) para o blogueiro Claudio Heliano

'

'
Poster autografado (por Nigel Mansell) par ao blogueiro Claudio Heliano

'

'
Autografada por Luiz Razia