terça-feira, 17 de maio de 2016

F-1 1972 - EMERSON FITTIPALDI, CAMPEÃO F1 - HISTÓRIAS DO CIRCO DA F-1, EDIÇÃO Nº 6




"Histórias do Circo da F-1", traz em sua sexta edição uma importante passagem da categoria no esporte a motor que influenciou os dirigentes da F-1, a ter provas aqui no Brasil e de ser atualmente um dos mais tradicionais cenários da categoria atualmente, com a realização do GP Brasil.

O ano é 1972 (fui longe hem), GP da Itália (10/9/72), circuito de Monza, o piloto brasileiro Emerson Fittipaldi corria pela equipe Lotus (preto e dourado) lutava pelo seu primeiro título de Campeão. Emerson era favorito, tinha 52 pontos no campeonato, faltavam três provas para o fim da temporada. Jackie Stewart e Hulme, - ambos com 27 pontos tinham chances matemáticas.



Mas o que deveria ser um poço de tranquilidade para Emerson, acabou sendo um desafio de fé e controle emocional para não por tudo a perder. A carreta que transportava a Lotus do brasileiro sofrera uma acidente e foi peça de F-1 para tudo que é canto, sem contar que o carro titular do brasileiro não teve condições de disputar a corrida.

Colin Chapman, proprietário do time, havia deixado uma carreta com um carro reserva na fronteira com a França (Chapman tinha medo da justiça italiana confiscar seus carros, em função do processo que sofria pelo acidente que vitimou Rindt dois anos antes). 

Emerson e Chapman viviam seus dramas, o carro reserva não aceitava muito bem os ajustes para o final de semana da prova. E agora, o que fazer? Para piorar, o tanque de combustível estava vazando gasolina (isso que é sorte, viu). A troca levaria em torno de uma hora, porém o tempo era ouro, e os mecânicos teriam que fazer em trinta minutos, pois bem, eles fizeram em 20 (risos).

A nove voltas do encerramento (total de 55) Emerson liderava a provasó precisava levar o carro (todo remendado) ao final da prova, como dizia o Emerson, foram as nove voltas mais longas de sua carreira. Ao fim da prova, Chapman comemorava com o boné na mão, a torcida ia a loucura.



No Brasil, quem estava ouvindo a rádio Jovem Pan, podia sentir a emoção do narrador da prova: "Emerson Fittipaldi,Campeão Mundial de F1!" Agora adivinhem quem era o narrador? O pai do Emerson, o Barão Fittipaldi!

Emerson se tornava o mais jovem (25 anos) Campeão Mundial de F-1, que pertencia ao escocês Jim Clark. Emerson perderia esse título somente em 2005 para Fernando Alonso (24 anos).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe! Deixe aqui seu comentário. Obrigado!

TV MOTOR

TV MOTOR

ESPECIAL FAMÍLIA PIQUET - EPISÓDIO 1 - MOTORSPORT.COM BRASIL


PODERÁ GOSTAR TAMBÉM

IMAGEM DA SEMANA - RADAR VERDE-AMARELO: CÂMARA NO PÓDIO, PIETRO ESTREIA NA INDY

Mineiro da F2 deixa rodada de abertura no terceiro lugar no campeonato; brasileiros também estiveram presentes na Moto2 e Super GT japonês


O fim de semana nas pistas teve a presença de pilotos brasileiros em diversos continentes. Sérgio Sette Câmara deu início à campanha da F2 com dois pódios, o que o deixou no terceiro lugar na tabela de pontuação.


"Não foi ideal largar em sexto. Eu sabia que precisava me concentrar na largada, porque era bem provável que alguém cometesse um erro. E foi o que aconteceu. Muita gente estava insegura, e eu também. Ainda bem que tudo deu certo."


Fonte de pesquisa e reprodução: motorsport.com


POLÊMICA DA SEMANA - FERRARI E RED BULL TROCAM FARPAS POR POLÊMICA DE MEKIES

Horner insiste que Scuderia desrespeitou acordo ao contratar funcionário da FIA; Arrivabene se esquiva e diz que não podia descumprir as leis


Chefes de equipe na F1, Maurizio Arrivabene e Christian Horner iniciaram uma guerra de palavras sobre a mudança de Laurent Mekies da FIA para a Ferrari.


Horner, chefe da Red Bull, disse ao Motorsport.com nesta semana que a contratação de Mekies desrespeitou o acordo de cavalheiros feito entre os times sobre a contratação de funcionários da FIA, o que ganhou destaque com o episódio envolvendo Marcin Budkowski e a Renault.


Horner fez coro às queixas de Eric Boullier, da McLaren, que insistiu que as equipes respeitariam um período de 12 meses para qualquer antigo funcionário da FIA ou da administração da F1 que se juntasse a uma equipe.



Mekies, que ainda é empregado da FIA mas se afastou das atividades da F1, iniciará seu trabalho na Ferrari apenas seis meses após a mudança se tornar pública.


Arrivabene segue certo de que a Ferrari não desrespeitou nenhum acordo, e indicou que os demais chefes de equipe da F1 não deveriam ir a público e dizer o que se passa nas reuniões do Grupo Estratégico.


“Antes de tudo, não houve nada de errado. Estamos respeitando de forma absoluta às leis locais da Suíça, que foi onde Laurent foi contratado”, disse Arrivabene. “E, depois disso, fomos ainda além ao estabelecer um período de seis meses [as leis determinam três meses].”


Fonte de pesquisa e reprodução: motorsport.com


GP COMPLETO

GP COMPLETO

VÍDEOS INTERESSANTES, EDIÇÃO Nº 26 - ENTREVISTA COM FELIPE MASSA, NA "MURETA COM RUBITO"

GP INGLATERRA 2005

CINEMA NO BLOG

CINEMA NO BLOG

EM CARTAZ

EM CARTAZ

O CORREDOR FANTASMA

PROMOÇÕES/ CONCURSOS/ DINÂMICAS

SÉRGIO JIMENEZ - PILOTO STOCK CAR, VAI SORTEAR UM PAR DE ÓCULOS PARA OS FÃS QUE O ESCOLHEREM NO HER

SÉRGIO JIMENEZ - PILOTO STOCK CAR, VAI SORTEAR UM PAR DE ÓCULOS PARA OS FÃS QUE O ESCOLHEREM NO HER
Clique na imagem e saiba como participar.