segunda-feira, 5 de outubro de 2015

ENTREVISTA - KELLY JONES: UMA DAMA NOS BOXES



Galera, estava eu futucando meu acervo automobilístico e me deparei com uma pequena entrevista de uma revista especializada em corridas de carros. Sinceramente não lembro o nome da mesma, apenas, creio eu, que seja do ano de 1997 (edição).

E o que chamou minha atenção foi que a entrevista foi dada por uma mulher, isso mesmo, uma mulher. Se hoje em dia elas ainda são vistas com preconceito no meio do automobilismo, imagine isso 18 anos atrás. Apesar que as pessoas já aceitam mulheres no automobilismo, é só ver a equipe Sauber (que tem uma mulher como chefe de equipe). O entrevistador pergunta para ela se o fato de ela ser mulher já causou algum incomodo. Ela respondeu que as vezes as pessoas olhavam esquisito para ela (imagine os lances que já não pegou, hem), mas, com o tempo as pessoas acabavam acostumando e respeitando o seu tabalho.

Daí decidi trazer esse bate papo para nosso quadro: "Entrevista". As informações que aqui estarei disponibilizando são da época da entrevista, ok!

Kelly Jones, 29 anos, publicitária. Começou no automobilismo em 1987, com o jornalista Francisco Santos. Trabalhou com Rubens Barrichello, mas com a ida do Rubinho para a Europa ela se afastou do automobilismo por uns anos. Retornou em 1996 com o kartismo, onde chefia uma equipe de kart (Kart Performance). Ela sonha que seus pilotos cheguem na F-3000  ou na F-Cart.

Como foi o trabalho com o Rubinho?
Kelly - Quando o Dinho (irmão do Reginaldo Leme) me convidou para ajudá-lo, o patrocínio da Arisco estava meio balançado, porque o Binho (Rubinho) só aparecia nas páginas de esportes, mas os produtos são comprados por mulheres. Eu coloquei nas páginas de veículos femininos e programas como Hebe, Gugu, Mulheres em Desfile e Rádios AM. Deu certo!

O fato de você ser mulher, em um meio dominado por homens já lhe causou algum problema?
Kelly - Ás vezes, me olhavam meio esquisito, por que o circo do automobilismo é muito masculino. Mas com o tempo, mostrando um bom trabalho, qualquer um ganha respeito. Hoje em dia eu já tenho isso e ser mulher só me traz vantagem.

Como é chefiar equipe? 
Kelly - É difícil, tem uma série de detalhes que precisam ser vistos, como equipamento, o estado psicológico dos pilotos e as particularidades de cada corrida. Eu também corro atrás de patrocinadores e de retorno para eles.

Que tipo de retorno?
Kelly - Faço assessoria de imprensa para a equipe e tenho planejado algumas ações de marketing para divulgação das marcas, através dos veículos especializados na área.

A sua equipe já tem patrocínio?
Kelly - Tem a AG club, a MG Pneus e a Texaco.

Porque é tão difícil arrumar patrocínio para kart?
Kelly - As empresas não levam a sério o kartismo. Nas reuniões, sinto que os diretores pensam que tudo não passa de uma brincadeira. Em geral a verba vem porque tem alguém da família na empresa ou o pai é dono. Por isso dizem que a categoria é de gente rica. Sem contar que existe muita "política" entre os pilotos, as fábricas e o regulamento.
Daí ninguém precisa mesmo trabalhar para fazer aparecerem patrocínios.

Você já ganha dinheiro com o kartismo?
Kelly - Ainda não, faço outras coisas completamente diferentes: tenho buffet de comida intercontinental, sub-edito livros para a Editora Cultura e presto assessoria de marketing para pequenas empresas.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe! Deixe aqui seu comentário. Obrigado!

TV MOTOR

TV MOTOR

ULTIMAS VOLTAS GP BRASIL 2006

PODERÁ GOSTAR TAMBÉM

IMAGEM DA SEMANA - TAKUMA SATO SENTA NO MARMON WASP, PRIMEIRO CARRO VENCEDOR DA 1ª EDIÇÃO DAS 500

IMAGEM DA SEMANA -  TAKUMA SATO SENTA NO MARMON WASP, PRIMEIRO CARRO VENCEDOR DA 1ª EDIÇÃO DAS 500

Takuma Sato foi o primeiro piloto japonês a vencer a tradicional 500 Milhas de Indianápolis . E como todo vencedor desta importantíssima corrida, o piloto foi ao museu gravar seu rosto no Troféu Borg-Warner dos vencedores. Aproveitou e experimentou a famosa Marmon Wasp que Ray Harroun levou à vitória no primeiro Indianápolis 500 em 1911. Takuma Sato .foi o vencedor do 101º Indianápolis 500.

POLÊMICA DA SEMANA - NÃO FAZ O MENOR SENTIDO FELIPE MASSA FORA DA WILLIAMS EM 2018

Uma hipotética saída de Felipe Massa da Williams significa jogar por terra o programa de desenvolvimento iniciado em 2017.


Por: Américo Teixeira Junior


Caso a lógica impere, qualquer discussão sobre o teammate de Lance Stroll em 2018 é inócua, pois não faz o menos sentido remover Felipe Massa da posição. Salvo uma imposição contundente do poder econômico, a evolução da Williams e do piloto canadense passam necessariamente pelas mãos do brasileiro vice-campeão mundial.


O fato de a equipe ter se reestruturado e investido em pessoal qualificado, revela estar em franco desenvolvimento um projeto para a equipe fundada por Frank Williams voltar a figurar entre as protagonistas da Fórmula 1, mesmo estando vulnerável à necessidade de recursos.


A presença de Stroll reflete essa vulnerabilidade, mas nem por isso deixou de ser uma aposta no futuro, pois é visível a evolução do piloto, que inegavelmente se destacou nas categorias de base. Sim, pois há um limite para o poder do dinheiro no automobilismo. Vagas, compram-se, mas moeda alguma se converte em qualidade e resultados.


Felipe Massa faz parte dessa engrenagem dentro das pistas, mas principalmente fora delas. Referência técnica e desportiva, é indispensável uma bagagem como a dele na hora de discutir procedimentos e soluções. Já Stroll está incapacitado de fazê-lo por estar ainda, por assim dizer, tentando descobrir para que lado vira a coisa.


É fato que o pai do canadense é sócio da Williams, dono de uma quantidade não revelada de ações. Estima-se que teria comprado 30% das ações pertencentes a Frank Williams. Independentemente de esse número ser correto, a verdade é que sua palavra tem peso, sendo lícito supor que advogue pela manutenção de um formato que tende a evoluir se a Williams for capaz de entregar um carro promissor em 2018.


Não se pode desconsiderar que os “Irma” da vida também sacodem a Fórmula 1 de tempos em tempos, mas em tempos de, quando muito, “tempestades tropicais”, Felipe Massa fica onde está.


Fonte de pesquisa e reprodução: diariomotorsport

VÍDEOS INTERESSANTES, EDIÇÃO Nº 25 - FABRICAÇÃO DE UM F-1

GP COMPLETO

GP COMPLETO

GP MALÁSIA 2004

O nosso quadro GP Completo, edição nº 7 traz o GP da Malásia de 2004 (segunda prova da temporada), já que estamos em um final de semana de corrida de F-1 (GP Malásia) e não por acaso, que escolhi a Malásia para esta edição.Um grid cheio com bastante carros e pilotos, interessante dizer que em 2004 tínhamos três pilotos brasileiros : Barrichello (Ferrari), Cristiano da Matta (Toyota), Felipe Massa (Sauber).

CINEMA NO BLOG

CINEMA NO BLOG

EM CARTAZ

EM CARTAZ

ECURRALADO

CARINHA DO BLOG (TRISTE)

CARINHA DO BLOG (TRISTE)

O número 13 parece não dá sorte mesmo, pois bem, foi o que aconteceu com o Oreca nº 13 da Rebellion Racing, pilotado por Nelsinho Piquet, Mathias Beche e David Heinemeier-Hansson, eles tinham conquistado o segundo lugar da classe LMP2 e o terceiro posto geral.


Mas a equipe teve que fazer um reparo no motor de arranque e por isso abriram um buraco no carro ao qual danificou uma das homologações, ferindo assim o regulamento. E daí a punição. lamentável!!!

DEDICATÓRIAS

DEDICATÓRIAS
Poster autografado (por Nelson Piquet) para o blogueiro Claudio Heliano

'

'
Poster autografado (por Nigel Mansell) par ao blogueiro Claudio Heliano

'

'
Autografada por Luiz Razia